quarta-feira, 26 de setembro de 2007

COSME E DAMIÃO, CRIANÇAS E A UMBANDA

Por Rodrigo Queiroz

Por volta do século III, nasceram na Arábia dois irmãos gêmeos Cosme e Damião, filhos de família nobre estudaram medicina na Síria e depois foram para Egéia. Não se sabe como e nem em que momento, mas estes tornaram-se discípulos do Cristianismo.
Se utilizando da arte médica, tinham como intenção a conversão religiosa das pessoas, crendo no poder da oração aliado á medicina, conseguiram grandes êxitos pelas curas oferecidas e nunca cobravam por isso. Ganhando assim a simpatia de todos e muitos convertendo.
Chamou atenção dos governantes da época ainda “pagãos” e como provocaram a ira dos mesmos, em especial Diocleciano que os acusou de feitiçaria por não renunciarem a fé cristã, este os sentenciou para receber tormentos bárbaros. Vendo que isto não os abalava então determinou que os decapitassem. Assim Cosme e Damião morreram como mártir em 303 na Egéia.
São Cosme e São Damião são venerados como padroeiros dos médicos e farmacêuticos. Por causa da sua simplicidade e inocência, são invocados também como protetores das crianças.

NA UMBANDA:

São Cosme e São Damião foram sincretizados com a linha de trabalho das Crianças, sem precedente uma vez que no histórico dos mesmos ao contrário do que muitos pensam não eram crianças e não se declinavam especificamente á cuidar de crianças, por fim não se sabe precisar em que momento eles foram associados ás crianças, o fato é que todos nós adoramos a tão esperada festa de Cosme e Damião, comemorada no dia 27 de Setembro.
Doces, bolos, balas, brinquedos e guaraná são alguns dos ingredientes presentes nesta festa, na qual os templos de Umbanda invocam a linha das Crianças.

Quem são estes espíritos infantis?

O primeiro impacto quando alguém se depara com um adulto de chupetas no pescoço e brincando de carrinho ou boneca é gargalhada na certa. Depois vem a pergunta: são espíritos crianças?
Por muito tempo acreditou-se que sim, mas dentro do estudo das condições do espírito humano sabemos que esta idéia não procede de fato.
Existe uma vertente de pensamento que prega ser estes espíritos, seres adultos que tomam a forma infantil para desenvolver entre nós encarnados o propósito do trabalho. Porém fica outra dúvida: se a capacidade curativa e renovadora destes espíritos está na pureza de seu magnetismo, seria um espírito cheio de experiências assim tão puro?
A Ciência Divina, revelada na Teologia de Umbanda Sagrada explica que não. Existem várias dimensões da vida e uma delas chamamos de Encantada, onde lá habitam seres infantis, não que sejam seres de pouca idade, porém infantis quando citamos a pureza, inocência, magnetismo puro é disto que estamos falando.
No livro Arquétipos de Umbanda, de Rubens Saraceni, publicado pela Editora Madras, o autor cita na página 99 o seguinte trecho: “ O arquétipo fundamentou-se nos espíritos ainda infantis regidos pelas mães Orixás, encantadas da natureza, que os acolhem em seus vastos reinos na natureza em seu lado espiritual e os amparam até que cresçam e alcancem um novo estágio evolutivo, já como espíritos naturais” . Saiba que este processo é longo e demorado. Logo, estes espíritos infantis são maduros quando o assunto é Deus, pois da existência Dele não duvidam, é como se vivessem próximos do Criador e justamente esta falta de fé que nós encarnados demonstramos os entristecem.
Temos então na linha das Crianças, espíritos que nunca encarnaram, são “encantados” pois vivem numa dimensão paralela a nossa só que com magnetismos puros de sua natureza individual.


Como atuam?

Quando manifestados, este espíritos promovem profundas renovações magnéticas no complexo energético do encarnado, sutilizando nossas energias e nas suas “brincadeiras” nos ajuda a desbloquear sentimentos negativos, desta forma limpa as pessoas e as aliviam.
Por se manterem com intensa vibração pura é que facilitam as curas tão famosas.
Incorporados brincam com brinquedos e comem doces em geral.

Oferenda:

Para o dia 27 de Setembro, vá até um jardim limpo, deposite doces, balas, pirulitos, bolo, refrigerante, flores diversas, em círculo acenda 7 azul claro e 7 cor de rosa intercaladas.
Ofereça ás Crianças de Aruanda, faça seus pedidos de paz, prosperidade, alegria e cura.
Reze um pai nosso.

Bem leitor, espero ter contribuído para a compreensão do assunto ou ao menos instigar para a busca do mesmo.
Sobretudo vamos festejar a festa das santas crianças e principalmente cuidar das nossas crianças encarnadas, educar e preparar para que nossa nação possa num futuro ser melhor para todos, com mais honestidade e ética. E você adulto, não esqueça da criança que habita dentro de si, não perca a esperança, a alegria gratuita e a graça de viver. Também não deixe de ser sincero e transparente doa a quem doer, seja puro e viva com ética e faça do dia-a-dia e do seu meio algo mais agradável de viver. Pense nisso e seja feliz!

Abraços Fraterno.

(contato@tvus.com.br)

5 comentários:

»»-(¯`·.·´¯)-> Fada <-(¯`·.·´¯)-«« disse...

Salve Rodrigo! Belo texto. Ah, bom seria se todos nós resgatássemos estes seres em nós, e vivessemos a vida de maneira mais leve, sem o peso de ter que ser perfeccionista.
MUita paz neste dia e muita descontração. Oni Ibejada!
|Beijo da mana Fada

Thaís Martins disse...

Sinceridade e transparência...o que há de mais belo nas crianças...e que nós...adultos, nem sempre conseguimos ser ou conseguimos nos deparar por esta vida...
Que elas possam nós ensinar e nos magnetizar com todo seus encantos, e que possamos trazer para nossas vidas toda a alegria que elas carregam...
Adorei o texto Rô... explicativo e simples como as crianças...
Um grande beijo...
Thaís Martins

Carlina disse...

Muito bom texto amigo Rodrigo,

Como bem disse a Thaís, um texto explicativo nos mostrando os encantos desta Linha de Trabalhadores da Umbanda, que quando se manifestam transmutam toda energia do ambiente, deixando-nos o seu magnetismo de pureza e alegria entranhados em nossa alma.

Salve a Linha das Crianças.

Beijão,

Carlina

Adriana disse...

Rô, realmente este é um texto contagiante, rsrsrs. Lemos e nos sentimos como uma criança. A energia e vibração que eles nos transmite é verdadeiramente pura e inocente.
Parece até o Luã........rsrsrs
Espero que continue sempre nos trazendo sabedoria e muito aprendizado.
Beijos no seu coração
Dri

Margaret Souza disse...

oi!irmão na fé, eu sou devota e filha de Cosme e Damião e acabei de lançar um livro sobre os Santos Gemeos que eu amo de paixão. livro mensageiros do amor Divino. 120p.
São Cosme e Damião.

Nós somos dois irmãos, unidos pela fé e pelo coração; nem a morte do corpo nos separou.
Nascemos e morremos para a vida terrena, unidos. Nós não tínhamos vícios, nem vaidades; tínhamos apenas sonhos de crianças; de crescer, ajudar, e ter a chance de mostrar para o mundo que a vida não é só a da terra.
Mostrar que além da grosseira matéria, existe um Ser Supremo, que a tudo vê e coordena.
Mas não nos deixaram. Mancharam as mãos com sangue, e, desde remotas eras, que muitos matavam por ganância. O tesouro maior para eles eram as riquezas materiais. Pedras preciosas e ouro foram os vilões que fizeram muitas vítimas; tanto quanto as terras, como até os dias de hoje, continuam fazendo.
Amontoam bens na vida terrena, como se isso fosse eterno, como se esses bens fossem durar para sempre. Esquece-se que a morada terrena é breve e passageira, e que só existe uma morada eterna, que é a de nosso Pai.
As coisas conseguidas aqui, aqui ficam; até nosso corpo carnal fica apodrecido nas profundezas da terra, que é a alma do mundo. E para que também se cumpram às escrituras: “Nasceste do pó, e ao pó voltarás”. Portanto, nada vai para o alto, além do bem maior que é a fé, o amor incondicional e a caridade, balsamo aos olhos do Criador e alívio às mazelas do espírito.
Mas o que podemos fazer, se todos no planeta, em um só conjunto, acham que as riquezas terrenas é que são eternas, verdadeiras e duradouras? E que por elas matam, enlouquecem, brigam e excomungam a quem quer que seja. Pode ser o mais chegado parente de sangue que, em se tratando de bens, perde qualquer laço que o ligue a outrem.
Esquece-se que: A maior riqueza é da alma, e que o maior e mais durável tesouro é a fé. A fé, maior riqueza que a tudo resiste. Nem a traça, nem a ferrugem corroem. É a mais bela riqueza interior; enquanto que as belezas da carne são volúveis e feias, e quanto maiores os enfeites, menos belos ficam seus corpos; e mais feios, os seus espíritos.
A beleza interior é forte como as águas do oceano, e quando ela aflora é bela como as estrelas no céu, doce como o canto dos pássaros, num campo florido, irradiando a sua beleza a quilômetros de distância.
A beleza eterna é assim:
Brilha mais, quem não quer brilhar;
Quando se quer, mais o brilho ofusca, se apaga.
Quanto menos se quer, mais se brilha, se aparece;
E quanto mais se quer ser lembrado, mais se é esquecido;
E quanto menos se quer ser visto mais se é.
É assim a beleza dada por nosso Pai.

Mensagem recebida no dia 17 de julho de 2005. As 3.45h. Da manhã.
Por Margaret Souza.